Vou criar um negócio. E agora? | Oficina Temática, a 31 de Outubro

Que passos são necessários para criar um negócio? Esteja ou não a pensar concretizar uma iniciativa empresarial, quer aproveitar para saber mais sobre este assunto?

Se sim, não perca esta Oficina Temática, a ter lugar na ADCMoura no próximo dia 31 de Outubro, quinta-feira, entre as 14h e as 18h. Inscreva-se aqui ou pelos meios apresentados em baixo.

453 (2)

O Ricardo Bilro, com quem já tivemos o prazer de aprender sobre aspectos importantes da divulgação de um negócio na Internet, traz-nos agora

Visita ao bairro de Salúquia, guiada por Jorge Caraça, a 26 de Outubro

Quer conhecer melhor os recantos e as histórias do bairro de Salúquia, sob o olhar de quem o habita?

Moura tens quatro bairros
Porta nova é uma alegria
Na Salúquia a mocidade
No Sete e Meio a saudade
De abraçar a Mouraria.

DSC00582

A quadra, retirada de um poema de José Pires e posteriormente adaptada para a moda imortalizada pelo Grupo Etnográfico do Ateneu Mourense, “Se fores ao Alentejo dá-lhe um beijo”,  dá o mote para um conjunto de visitas aos referidos 4 bairros de Moura: Porta Nova, Salúquia, Mouraria e Sete-e-Meio.

O primeiro Bairro a ser (re)visitado é o de Salúquia, no próximo sábado, 26 de Outubro, com partida às 10h. O guia de serviço é Jorge Caraça, morador e profundo conhecedor desta

DSC01320
147
387
espantalhos 019[1]
sementeira directa 086

Horta Comunitária de Moura: dois anos de projecto colaborativo

Há dois anos, arrancava o projecto da Horta Comunitária de Moura, com uma acção de formação de 480 horas para 12 formandos, decorrida entre Outubro de 2011 e Fevereiro de 2012.

Depois disso, muito aconteceu: visitas de estudo a outras hortas, actividades com escolas durante a Semana Educativa, ateliês para crianças e jovens em ATL de Verão, workshops ligados à agricultura biológica e à recolha e conservação de sementes, almoços com parceiros em projectos, iniciativas colectivas de limpeza do tanque e de caiação do muro e até uma sessão de poesia. Um regulamento de Utilização, um Plano de Exploração colectivo e um Guia de Utilização da Horta Comunitária foram produzidos. De tudo se dá conta no blogue da horta, em www.ruadashortas.blogspot.pt, nascido e mantido a par da horta.

Um percurso muito interessante, de contínua aprendizagem sobre como pôr em marcha um projecto colaborativo. 

 

A caiação como património; a caiação como prática | Oficina Temática, a 29 de Outubro

Sabe certamente que a cal é a opção mais barata, saudável e adequada à pintura de casas de taipa. Quer aprender mais ou partilhar o que conhece sobre a cal e a caiação?

Inscreva-se gratuitamente nesta Oficina temática, a realizar na terça-feira, 29 de Outubro, na ADCMoura. Será oferecido um almoço volante, no alpendre do antigo Grémio de Moura, espaço que será também o objecto da parte prática da Oficina. Inscreva-se aqui ou através dos contactos em baixo.

DSC00121

Usada desde tempos remotos, a cal era um dos materiais de base para a construção, em toda a zona mediterrânica. E era também usada pela maioria das pessoas, no dia a dia das suas casas, como “detergente universal”. Hoje é considerada pelos especialistas da construção sustentável como um material fundamental e de futuro: por ser ecológico, económico e a sua produção não utilizar tanta energia como o cimento e outros materiais.

A cal é também um material fundamental para a conservação das casas tradicionais, sejam elas de

DSC01408
DSC01402
DSC01406

Legumes que vêm de perto; economia local que ganha!

Das hortas em torno de Moura, quantas fazem chegar legumes às nossas mesas? E tantas são as vantagens de comprar local…

Chegámos à horta de Torrejais de Baixo ao lusco-fusco, meia hora depois de partirmos da Fonte de Santa Comba, desaparecia o sol atrás das estufas onde crescem os produtos hortofrutícolas do cabaz PROVE. Quinta-feira, 10 de Outubro, no total quinze adultos e seis crianças, que se apresentaram para um agradável fim de dia com caminhada, visita à horta e petisco com tertúlia sobre as histórias da horta e as relações (algumas bem recentes!) dos presentes com Moura.

Mesmo assim, ainda pudemos confirmar a variedade e a quantidade de fruta e legumes que o Manuel e a Ana Paulino conseguem produzir naquela horta, de onde tiram o sustento que lhes permite manterem-se por Moura.

Contribuir para a geração de emprego e de rendimento locais constitui argumento importante em favor da opção por consumir produtos de proximidade, seja através do PROVE, seja no comércio local, mas há muitos outros, como, por exemplo, os menores custos e impacto ambiental com o transporte dos produtos e a redução do número (e particularmente da dimensão) dos intermediários.

A frescura dos alimentos acabados de colher, a possibilidade de conhecer o sítio donde vêm, a relação pessoal que se estabelece com quem produz… são também aspectos relevantes para quem quer consumir melhor!

E, já que falamos em sociabilidades, vale a pena realçar as que saíram fortalecidas do jantar fantástico que a Ana Paulino preparou. A repetir! Mas, na próxima, todos ajudamos!

Construção em terra: o futuro de um património + uma visão socioeconómica | 12 de Outubro, às 14.30h

Vive ou trabalha num edifício de terra, provavelmente de taipa, e já se questionou sobre a forma mais adequada para o conservar ou reabilitar? Quer aproveitar para conhecer algumas boas práticas de intervenção nestes edifícios? E, já agora, também boas experiências de inovação social usando a construção com terra?

A casa de terra crua: uma tradição construtiva, cultural e ambiental | 12 de Outubro, às 9.30h

Muitos dos edifícios da cidade e do concelho de Moura são de taipa, uma das técnicas de construção com terra crua. Gostaria de saber mais acerca deste importante património cultural do Alentejo – hoje, afinal, tão valorizado nos seus aspectos económicos, sociais e ambientais?

Pôr do Sol nos Torrejais | Moura ao café… na horta

No próximo dia 10 de Outubro, numa iniciativa reservada às famílias inscritas no Núcleo PROVE de Moura, vamos ver o PÔR DO SOL NOS TORREJAIS, na horta do Manuel Paulino (Quinta dos Torrejais de Baixo, em Moura), onde são produzidas as hortofrutícolas que recheiam os nossos belos cabazes.