olá

Junho 2020
S T Q Q S S D
« Mai    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

José Francisco Amaro

CADEIREIRO

José Francisco Amaro, mais conhecido por ti Rainha, nasceu em Amieira, concelho de Portel, em 1911. Se fosse vivo, teria, portanto, 109 anos. Ainda jovem,cruzou o Guadiana para se fixar em Safara, onde viria a falecer em 2003.

Nos últimos anos, já viúvo, as cadeiras tomavam-lhe todo o tempo. Mesmo assim, não o suficiente para responder ao ritmo das encomendas que surgiam de todo o país, e até do estrangeiro! Avesso à utilização de máquinas, o que explica a demora das entregas e a singularidade de cada peça, pelas suas mãos passaram dezenas de cadeiras, arquitectadas e esculpidas na sua pequena oficina, de paredes de tijolo à vista e coberta de chapas de zinco, situada no quintal do nº 3 da rua da Fonte Nova. Aí se passaram muitas horas ouvindo as suas histórias de vida e apreciando a sua mestria.

Perdida a conta às cadeiras que construiu, certo é que não há duas iguais porque cada uma traz inscrita a marca inconfundível do génio criador e de uma cultura e atitude que não se deixaram levar pela massificação. São cadeiras em madeira de loendro, para estar à lareira, no Inverno, ou no rebato da porta, no Verão, cadeiras de pé alto, cadeiras para estar à mesa, cadeirões de braços, bancos pequenos e bancos maiores que servem de poiso aos alguidares da amassadura do pão ou da miga dos enchidos.

Como dizia mestre Rainha sobre a melhor época para colher a matéria-prima para os fundos das suas cadeiras, sempre ajudado por uma sentença na ponta da língua, «no mês de Maio, a junça e o buinho prendem um garraio, no mês de São João, não prendem um cão».

E acrescentava, a quem o questionava sobre os princípios de construção: com o material acareado, o artesão corta e falqueja, com a ajuda de serra, machado, cepilho e enxó, paus direitos para as patas e paus com curvaturas capazes para fazer o encosto da cadeira. Para ligar uns e outros, abrem-se furos com trado e arco de pua e talham-se travessas a enxó e canivete. Com as madeiras assim aparelhadas, começa-se a cadeira pelas costas, apertando as peças com um gastalho para não afrouxarem. Em estando a cadeira armada e pregada, torce-se o buinho, já demolhado, para empalhar o fundo. Por fim, talham-se motivos geométricos, alguns preenchidos com cor, para a peça ser ainda mais única e ao gosto do freguês e, pronto, já dá ares a uma cadeira!

Filipe Sousa (texto e fotos)

Comments are closed.