olá

Novembro 2022
S T Q Q S S D
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Alecrim

Rosmarinus officinalis L.

nomes vulgares

Alecrinzeiro, alicrizeiro, alecrim-da-terra.

espécie

Rosmarinus officinalis

variedade

officinalis

género

Rosmarinus

família

Lamiaceae

origem

Região mediterrânica.

distribuição geográfica

Planta arbustiva vivaz do litoral mediterrânico, sendo espontânea em charnecas, matagais e pinhais do Centro e Sul de Portugal continental.

características genéricas

Planta arbustiva vivaz, sempre-verde, de folha perene, lenhosa, com até cerca de 2 m de altura, floração azulada e, mais raramente, esbranquiçada ou rosada. Cheiro a incenso e cânfora e sabor aromático..

época de floração

De Janeiro a Maio.

habitat

Terrenos secos e pobres, principalmente calcários, bem drenados e permeáveis.

partes utilizadas

Folhas, partes aéreas floridas e óleo essencial destas.

usos medicinais

Fabrico de óleos emulsionados a quente para a artrite.

Em infusão, tem uma acção tónica e aperitiva, é estimulante (favorece a digestão das gorduras), antiespasmódico, emoliente, diurético, colagogo, anti-séptico das vias respiratórias, analgésico para dores reumáticas e articulares, eficaz em depressões ligeiras, certas enxaquecas e cefaleias.

Trata ressacas e restaura a memória.

Ajuda a recuperar de doenças prolongadas e do stress.

O óleo essencial friccionado na testa, alivia a dor de cabeça.

Comido moderadamente em cru é um excelente fortificante para o cérebro e a memória.

usos culinários

Serve para condimentar carne de borrego, porco, coelho, frango, salsichas e omeletes, temperar peixe, sopas, guisados e azeitonas, e aromatizar azeites e vinagres.

O pó da folha, associado a outras plantas aromáticas, como o alho e o estragão, pode ser usado para aromatizar e inibir a oxidação da manteiga.

Confere um gosto forte a bolachas, geleias, saladas de fruta e queijos.

outros usos

Na cosmética, o creme com extractos da planta é útil no tratamento das estrias e, também, das dermatites seborreicas.

As loções hidro-alcoólicas de folhas são usadas para combater a caspa, a calvície e para escurecer o cabelo.

Em balneoterapia, o alecrim activa a circulação e é anti-reumatismal.

Planta muito cultivada como ornamental em jardinaria, sobretudo nas bordaduras de canteiros.

O óleo essencial também se emprega em perfumaria.

O alecrim é também muito utilizado como planta ornamental e origina um mel muito apreciado.

Insecticida natural, plantado na horta protege as outras plantas de afídios.

Ramos de alecrim frescos colocados entre a roupa protegem-na do ataque de traças.

Os extractos da planta são usados como antioxidante na indústria agro-alimentar.

curiosidades

O nome latino Rosmarinus é composto por ros e marinus, que significam, respectivamente, orvalho e marítimo, designação associada ao facto de a planta, originária da Região Mediterrânica, ocorrer nos rochedos marítimos do Sul da Europa.

Para os romanos, o alecrim era considerado uma erva sagrada, que garantia aos mortos uma vida em paz no “além”, utilizando-a como incenso nas cerimónias religiosas.

A acção benéfica da planta para o cérebro e a memória era já conhecida dos estudantes da Grécia Antiga e dos legionários romanos, que tinham por hábito trazer ramos de alecrim atrás das orelhas.

Antigamente, no Domingo de Ramos, os seareiros colocavam nas suas searas cruzes feitas com ramos de alecrim, benzidos e borrifados com água benta, para protecção e aumento da produção.

A tradição de queimar alecrim, para defumar as casas, muito comum nos países mediterrânicos do Sul da Europa, está associada à crença de que os habitantes de casa beneficiariam de uma protecção especial, além de purificar o ar nos quartos dos doentes.

Era tradição no Alentejo “acender-se um ramo de alecrim e defumar-se com ele toda a casa”, para afastar males e doenças, dizendo-se ao mesmo tempo o ensalmo:

Alecrim bento e sagrado,

Nasceste no campo

Sem ser semeado.

Também Jesus nasceu em Belém,

Saia da minha casa todo o mal,

E entre todo o bem.

(recolhido em Beja).

precauções

Não é recomendado para pessoas que sofrem de ataques epilépticos.

Além disso, também é contra indicada durante os períodos de gestação e lactação, devido à sua forte composição química.

bibliografia

CUNHA, A. Proença da; RIBEIRO, José Alves; ROQUE, Odete Rodrigues, Plantas Aromáticas em Portugal – caracterização e utilizações, 2ª ed., FCG, Lisboa, 2009.

MCVICAR, Jekka, O poder das ervas aromáticas, Civilização Editores, Porto, 2003

TORRES, Nádia; GUITA, Rui, Ervas e Cheiros. Espécies aromáticas e medicinais do concelho de Mértola, Edição Escola C+S de Mértola, Mértola, 1996.

VALAGÃO, Maria Manuel (org), Natureza, Gastronomia e Lazer – plantas silvestres alimentares e ervas aromáticas condimentares, Edições Colibri, Lisboa, 2009.

nota

A ADCMoura não se responsabiliza por nenhum efeito adverso do uso da planta.

Comments are closed.