Os Mediadores ou Facilitadores

As comunidades ciganas são parte integrante da sociedade portuguesa, devendo a sua participação ser fomentada e apoiada através de políticas de inclusão que abram espaço à capacitação e inserção social destes cidadãos e à valorização do seu património cultural. Neste sentido a figura do mediador é fundamental para a resolução de conflitos, no estabelecimento de pontes entre duas comunidades, promovendo a aceitação das diferenças, explicando o diverso e o desconhecido. A sua função é muito importante na promoção da integração da comunidade cigana, em domínios como a educação, a habitação, a saúde e o trabalho, entre outros, sendo recomendado pela UE a necessidade de se formarem mediadores para trabalharem com a comunidade cigana (Programa Europeu de Formação para Mediadores Ciganos (ROMED)).

A primeira fase do programa ROMED consistiu em empregar pessoas de etnia cigana para intervirem como mediadores entre a população cigana e as instituições políticas. A atuação destes mediadores em contextos multiculturais é considerada como muito positiva, pois promoveu o acesso a equipamentos e serviços, possibilitou a participação das comunidades ciganas nos projetos a eles destinados, facilitou a comunicação entre grupos culturalmente diferenciados e permitiu a prevenção e a gestão de conflitos. A ação do ROMED2 veio complementar o ROMED, contribuindo para a participação na governação democrática dos municípios por parte dos ciganos, através da mediação e na construção de um compromisso político a nível local e na capacidade de desenvolver políticas que sirvam a sua integração. Esta 2ª fase trabalha em simultâneo com a capacidade do município em eleger politicas dirigidas à comunidade cigana e no trabalho de inserção através dos mediadores. A participação de Moura consiste em:

  • Promover a inclusão da comunidade cigana através da participação democrática;
  • Envolver a rede social em apoio à comunidade;
  • Designar uma pessoa para acompanhamento da comunidade;
  • Comparecer nos encontros sobre o desenvolvimento do programa;
  • Garantir o envolvimento dos serviços municipais construindo um plano de ação local.

Os mediadores unem as comunidades ciganas ao meio em que estão inseridas e respondem como intermediários, entre os grupos, às perguntas que às vezes se tem medo de fazer. Tudo isto poderá levar à tão necessária coesão social.

Mais informações em http://goo.gl/7pkrw7

You may also like...

1 Response

  1. Almerindo diz:

    Eu sou cigano/rom,português,defendo a causa cigana,ativista e pesquisador da língua Rromani,enviei o projeto romed 2 e nem recebi resposta.precisamos urgentemente de mediadores (totalmente imparciais)ciganos,em Portugal infelizmente existem muito poucos o que me entristece,sabendo do esforço financeiro que a Europa disponibilizou para aceleração do desenvolvimento (educação,saúde e habitação)da etnia cigana/rom.